A esperança agora está visível no rosto de Rachel Uwimana, uma jovem de Ruanda de 15 anos que sofreu de displasia fibrosa — um distúrbio ósseo no qual tecidos semelhantes a cicatrizes se desenvolvem no lugar de ossos normais — que deixou seu crânio gravemente desfigurado, além da órbita em torno de seu olho esquerdo.

Graças a uma combinação de compaixão humana, habilidades cirúrgicas e tecnologias avançadas que incluem o Virtual Surgical Planning (VSP®) e a impressão em 3D da 3D Systems, Rachel agora pode sorrir e rir facilmente, reações que pareciam impossíveis há dois anos.

Um novo começo

Rachel foi tratada pela primeira vez por displasia em Ruanda. Os médicos realizaram a cirurgia que incluiu um implante que não foi aceito por seu corpo e, eventualmente, o contato do implante com sua cavidade nasal resultou em uma infecção. 

Ela chamou a atenção do Dr. Ric Bonnell, diretor de Saúde Internacional do Centro Médico Dell Children's em Austin, no Texas. O Centro Médico Dell Children's faz parte da Ascension, o maior sistema de saúde sem fins lucrativos do país. Bonnell ajudou a trazer Rachel para Austin em parceria com a Africa New Life Ministries, um programa sem fins lucrativos que ajuda crianças que necessitam de tratamento médico. 

A primeira operação de Rachel na Dell Children's foi um esforço conjunto liderado pelo cirurgião craniofacial Dr. Raymond Harshbarger, pela equipe da 3D Systems no Centro de Tecnologia de Saúde em Denver, no Colorado, e pelo Dr. Timothy George, neurocirurgião, e o Dr. Coburn Allen, doenças infecciosas e uma equipe de profissionais de apoio.

Simulando a cirurgia

O Dr. Harshbarger foi um dos primeiros a adotar o planejamento virtual, usando primeiro as tecnologias 3D para planejar cirurgias complexas no início dos anos 2000. Ele começou a trabalhar com o que é agora o Centro de Tecnologia da Saúde da 3D Systems em 2009 e tem, desde então, realizado centenas de operações auxiliado pelo Virtual Surgical Planning e modelos e ferramentas de guia impressos em 3D.

"A situação de Rachel era muito complicada", diz Dr. Harshbarger. "Trabalhar com o Planejamento Cirúrgico Virtual da 3D Systems nos permitiu testar abordagens diferentes antes de definir um plano definitivo."

A primeira cirurgia, realizada no final de março de 2015, incluiu a remoção de uma grande área do cimento ósseo da operação realizada em Ruanda, o tratamento do sinus frontal infectado, o ressecamento da displasia fibrosa, a reconstrução do tecido macio com tecido transferido da coxa de Rachel e a reconstrução esquelética.

Usando os dados de digitalização da tomografia computadorizada de Rachel, a 3D Systems trabalhou junto com o Dr. Harshbarger e o resto da equipe cirúrgica em reuniões na Web para definir os procedimentos da operação e simular digitalmente os cortes no osso que seriam necessários na sala de operação.

Ferramentas cirúrgicas específicas para a paciente

Para a primeira operação, a 3D Systems imprimiu um modelo usando sua tecnologia de esterolitografia ProX® que mostrou como seria o crânio de Rachel após a remoção do osso estranho. 

Dois modelos de guia cirúrgico também foram criados. Um ajudou o Dr. Harshbarger a posicionar uma malha de titânio temporária específica para a paciente a fim de proteger a região da cavidade ocular de Rachel, e a outra representou o crescimento ósseo excessivo que precisava ser removido do crânio de Rachel.

Lidando com as complicações

Em uma segunda cirurgia, cinco meses após a primeira, o Dr. Harshbarger reposicionou a maçã do rosto, a testa e a cavidade ocular de Rachel para criar simetria. A 3D Systems mais uma vez fez o Planejamento Cirúrgico Virtual em conjunto com o Dr. Harshbarger, e criou modelos de crânio, guias de posicionamento e referência e modelos impressos em 3D.

"O modelo de posicionamento foi desenvolvido para ajudar o Dr. Harshbarger a realizar uma marca de referência no osso que, então, seria usado para ajudar a garantir que o implante PEEK personalizado fosse posicionado conforme projetado", diz Mike Rensberger, que lidera os serviços de Reconstrução VSP da 3D Systems. 

PEEK significa polieteretercetona, um plástico de alta resistência que a KLS Martin usa para criar implantes cranianos específicos para o paciente. No caso de Rachel, um implante de duas peças cobre o osso craniano na testa junto com as órbitas em torno das cavidades oculares e da maçã do rosto superior.

"Os desafios na criação desse design foram produzir o contorno exato que é esteticamente correto, assim como funcionalmente possível para implantar durante a cirurgia", diz Tirth Patel, um especialista em implantes com babes em tomografias computadorizadas na KLS Martin.

"A 3D Systems trabalhou perto do Dr. Harshbarger para planejar o movimento exato do osso", diz Patel. "Pegamos os arquivos digitais da 3D Systems e criamos um design individualizado que ajudaria o Dr. Harshbarger a posicionar perfeitamente o implante a fim de criar uma superfície macia na testa."

"A complexidade foi realmente muito alta, pois o implante precisava ser encaixado diretamente na maçã do rosto que havia sido movida para uma nova posição", diz Dr. Harshbarger. "Não havia margem para erros. O movimento da maçã do rosto foi muito preciso e se encaixou perfeitamente no implante.

"O Virtual Surgical Planning e os modelos, guias e padrões impressos em 3D da 3D Systems tornaram esse tipo de precisão possível."

A segunda operação foi bem-sucedida e resolveu muitos problemas da reconstrução craniana de Rachel. O Dr. Harshbarger sugeriu cirurgia plástica no futuro para corrigir as discrepâncias na coloração da pele do tecido transferido e para expandir a área do couro cabeludo de Rachel.

Da esperança à oportunidade

Cerca de um mês após a segunda cirurgia, Rachel foi escolhida pela Seton Healthcare, um membro da organização Ascension, para viajar para Washington, D.C., para ouvir o Papa Francisco falar no Congresso americano. Ela fez a viagem com a gerente de casos Dee Brosnan do Centro Médico Dell Children's, que também está hospedando a Rachel durante sua estadia em Austin.

Coincidentemente para a Rachel, a fala do Papa Francisco focou fortemente em incutir esperança através da cooperação internacional: 

"Nossos esforços devem ter como objetivo a restauração da esperando, a correção dos erros, a manutenção de compromissos e, assim, a promoção do bem-estar de indivíduos e povos. Devemos avançar juntos, como um só povo, em um espírito renovado de fraternidade e solidariedade, cooperando generosamente para o bem comum de todos."

Desde a primavera de 2016, Rachel está morando em Brosnan e estudando em uma escola internacional em Austin, onde ela está aprendendo a falar inglês. Seus planos são de ficar em Austin até junho para terminar os estudos e, depois, voltar para sua família em Ruanda, uma pessoa diferente fisicamente, mentalmente e emocionalmente.